Um Destino Assegurado

Desde a sua ascensão, S.A.S. o Príncipe Alberto II de Mónaco tem vindo a adotar uma forte política a favor do desenvolvimento sustentável a nível nacional e internacional.
As suas ações incluem biodiversidade, gestão de recursos e redução de gases de efeito estufa.

A POLÍTICA AMBIENTAL

Com efeito, S.A.S. o Príncipe Alberto II comprometeu o Principado de Mónaco na redução das suas emissões de gases de efeito estufa em 50% até 2030, comparativamente a 1990, e renovou o seu compromisso de alcançar a neutralidade do carbono até 2050, bem como as suas muito numerosas ações em favor de se considerar a influência dos oceanos na questão das alterações climáticas. Fontes / Mais informações

AS AÇÕES IMPLEMENTADAS

Preservar o património natural 

A gestão do património natural é um dos pilares da política governamental. A Direção do Meio Ambiente estabelece programas de inventário e monitorização de espécies marinhas e terrestres.
A nível marítimo: o Principado protege o seu espaço marítimo: assim, todas as águas territoriais fazem parte do santuário marinho «Pélagos». Foram criadas duas reservas marinhas em Mónaco. A primeira, de 50 hectares, situada em Larvotto, foi criada nos anos 70. Tem um herbário de Posidónia, grandes nácares e garoupas castanhas. A segunda, criada em 1986, na pendente coralígena das Spélugas, tem a particularidade de abrigar corais vermelhos.
Em terra, o Principado tem 880 espécies vegetais das quais 18 são espécies patrimoniais. Vários estudos permitiram identificar a fauna e a flora e descobrir espécies raras de insetos e invertebrados. O Rochedo é o refúgio de um casal de falcões peregrinos e da sua progenitura.
Uma política de preservação de árvores e certas plantas é conduzida através da Direção de Planeamento urbano que elaborou o «Código da Árvore». Este documento reintegra a árvore na cidade, sublinha a sua importância, as suas virtudes e identifica o património arborícola do Principado. Fontes / Mais informações

Vigiar

1) Controlo da Qualidade do Ar

Para evitar dificuldades ou riscos para a saúde e para o meio ambiente, foi estabelecida no território uma rede automatizada de cinco estações homologadas desde há mais de vinte anos. Esta rede fornece medições contínuas, automaticamente ou por amostragem, seguidas de análises laboratoriais. O tratamento do conjunto destas medidas é realizado pela Direção do Meio Ambiente e em seguida validado pela AtmoSud (perito certificado em Provence Alpes Côte d’Azur).

Os poluentes controlados são :

  • Monóxido de carbono (CO)
  • Óxidos de azoto (NOx)
  • Dióxido de enxofre (SO2)
  • Ozono (O3)
  • Partículas finas

O sistema de monitorização acaba de ser reforçado com a introdução, no Portal Internet doGoverno, de um índice de Qualidade do Ar (IQA). A qualidade é expressa através de um índice global de 0 (muito bom) a 100 (limiar de alerta), calculado a partir da base de dados recolhidos pelas 5 estações de medição da qualidade do ar operadas pela Direção do Meio Ambiente. A previsão IQA para o dia seguinte (J+1) é igualmente estimada tendo em conta as previsões meteorológicas.

2) Controlo de Qualidade das Águas Costeiras
O Principado monitoriza a qualidade física e química das águas costeiras, com base em medições repetidas dos componentes do meio marinho (massas de água, sedimentos ou organismos vivos) e, igualmente, no conhecimento das atividades ou contributos naturais e antrópicos suscetíveis de influenciar a qualidade do meio ambiente.
Um controlo sanitário das águas balneares é também realizado entre o início de maio e o fim de setembro, com recolha de amostras e análise semanal em cada zona balnear (praia dos Pêcheurs, do Solarium e do Larvotto). Uma declaração de conformidade é também elaborada no final de cada época balnear. 
Durante a estação estival, de junho a setembro, os valores registados estão disponíveis para o público em geral na estação de controlo da praia de Larvotto e nos ecrãs à entrada de Mónaco.

Gerir os Recursos

No Principado faz-se uma gestão sustentada da água e dos resíduos. Mónaco dispõe de duas fontes de abastecimento de água: água produzida localmente, proveniente de nascentes que se situam na parte oriental do Principado, e água importada proveniente de um recurso a leste retirado do lençol freático de Roya e de um recurso a oeste proveniente da bacia hidrográfica do rio Var. A racionalização e a diminuição do consumo de água permanecem entre as principais questões no contexto de uma gestão sustentável do recurso. Um consumo excessivo de água exerce pressão sobre as reservas de água doce, nomeadamente nas áreas urbanas. Um consumo criterioso permite reduzir a pressão a que são submetidos os ecossistemas e prolongam a expetativa de vida das reservas e das estações de tratamento existentes.
Nos últimos anos, a sensibilização das famílias, atores privados e públicos do Principado, conduziu a uma redução significativa do consomo de água em Mónaco.
Fontes / Mais informações
A triagem seletiva está implementada e é reforçada por uma ampla política de sensibilização.  www.sma.mc/
No que diz respeito à energia, o Governo prossegue uma política ambiental que pretende respeitar os compromissos do Principado, nomeadamente o protocolo de Quioto. Na lógica das disposições do protocolo de Quioto, Mónaco estabeleceu como objetivos melhorar a eficiência energética em 20% e de consumir 20% da energia final proveniente de fontes renováveis, até 2020.
O Plano de Energia Climática criado tem como objetivo a luta contra as alterações climáticas e a adaptação do território a essas alterações, numa lógica de desenvolvimento sustentável. Mais informações

Reduzir Gazes de Efeito Estufa

O Principado de Mónaco comprometeu-se a reduzir as suas emissões de gases de efeito estufa em 50% até 2030, comparativamente a 1990. Para atingir este objetivo, foi criada a Missão para a Transição Energética com a finalidade de atuar nos 3 sectores com maior emissão de gases de efeito estufa em Mónaco, nomeadamente o transporte rodoviário, o tratamento de resíduos e o gasto energético dos edifícios.
A Missão também administra o fundo verde nacional para conduzir a realização de projetos de grande envergadura.
Depois de ter elaborado o Livro Branco, que determinou o caminho a seguir, a Missão para a Transição Energética trabalha atualmente no desenvolvimento de energias renováveis em Mónaco (energia solar, talassotérmica, geotérmica…).
Paralelamente, foi também lançado um pacto para a Transição Energética. Permite a todos – privados ou públicos – envolverem-se em ações voluntárias e obrigatórias com a finalidade de reduzir os seus GEE. Mais informações

Mónaco, Destino de Turismo Responsável

Em Mónaco, o sector de turismo segue a política ambiental introduzida pelo Governo do Príncipe. Todos os atores se empenham num turismo mais responsável, colocando em prática soluções para uma gestão otimizada dos recursos. A Destination e os seus parceiros trabalham pela proteção, preservação da água, biodiversidade e luta contra o aquecimento global.
A título de exemplo, a maioria dos hotéis escolheram a certificação ambiental, a mobilidade tranquila é destacada graças ao desenvolvimento de uma rede de transporte público e de soluções eficientes de intermodalidade. Campanhas de sensibilização são organizadas com regularidade por temas de triagem, a luta contra o desperdício alimentar, a proteção da biodiversidade…

Green is the new Glam (Verde é o novo Glam )

A Direção de Turismo e Congressos de Mónaco lançou, em 2018, uma nova estratégia de comunicação destinada a promover o Turismo Responsável e que gira em torno slogan «Verde é o novo Glam». A mensagem é forte e tem por objetivo afirmar o posicionamento de Mónaco como Destino de Turismo de Luxo Responsável.
Disponível em todos os mercados e suportes internacionais – apoiando-se, nomeadamente, em visuais e numa campanha de vídeo – «Verde é o novo Glam» destaca os esforços dos parceiros e promove as boas práticas… da hotelaria à gastronomia, passando pela mobilidade, centros de atração e eventos do Principado.